Mudras

Mudras

Os Mudras são gestos repletos de significado.
Basta estares atenta(o) às tuas rotinas e ao teu redor para te aperceberes da quantidade de Mudras que utilizas de forma inconscientemente
.  

Muitas vezes quando ouves a palavra Mudras, ouves a designação de yoga das mãos. O mais comum é visualizares a imagem das mãos e algum dos mudras mais conhecidos. Talvez visualizes o Mudra mais associado à meditação.


Nem todos os mudras são realizados com as mãos. Existem mudras com o corpo, com os olhos, com a respiração.

Os mudras não são apenas uma técnica Hindu ou do Budismo. Se observares ao teu redor, a nossa cultura e as nossas rotinas diárias estão repletas de Mudras. 

Apresento-te dois ou três exemplos simples do nosso dia a dia:

  • Quando vais a uma igreja, benzeste e colocas as nossas mãos em frente ao peito.
  • Quando vais rezar também unes as palmas das mãos em frente ao coração, como forma de gratidão, humildade.
  • Quando cumprimentas uma pessoa, estendes a mão.

Não utilizamos mudras apenas para meditar ou quando estamos a realizar a nossa prática de yoga|meditação (sadhana).

Vou abordar apenas três ou quatro Mudras (hasta mudras) que estás a habituada(o) a ver e a utilizar como uma técnica no Hatha Yoga.

Mudra significa “selo”, “gesto” ou “marca”, facilitam o fluxo de energia no corpo sutil. E devem ser utilizados de uma forma suave, confortável e firme. 

Quando estiveres a reflectir sobre os mudras e as caraterísticas de alguns, recorda-te que cada dedo da tua mão representa um elemento da natureza e está ligado a um chackra.

Habitualmente os Mudras são utilizados na meditação, na prática de Yoga, em danças do Hinduismo e a acompanhar alguns mantras ou bajnas.

Gyana Mudra

Este é um dos mudras mais conhecido no Yoga, Gyana Mudra. Também conhecido como Jnana Mudra.

Unes o dedo polegar com o indicador e esticas os restantes dedos. 

Conhecido como mudra do conhecimento e aconselhado para a concentração, consciência.

Estimula a respiração e a irrigação sanguínea no cérebro, aumenta as capacidades intelectuais e a memória.

Com este mudra trabalhas o elemento Ar e o Chackra da Raíz.

Anjali Mudra

Conhecido como o Mudra da Paz, Añjali Mudra.

Unes as palmas das mãos frente ao peito, com os dedos para cima e os antebraços horizontais.

Quando mantens Añjali Mudra estás a conectar-te e a potencializar a energia do coração, manifestas gratidão, amor e paz.

Segundo o professor Pedro Kupfer, “significa saudar, elevar, invocar, trazer, cultivar. Transmite sentimentos positivos, cordialidade e boas intenções. Na Índia, este gesto equivale ao nosso aperto de mãos.”

Algumas variações do Añjali Mudrá em função do posicionamento das mãos:

  • Quando o añjali mudrá é realizado sobre a cabeça a expressão do gesto dirige-se a uma divindade.
  • Quando as mãos se posicionam em frente da testa a saudação é direcionada a um mestre.
  • Quando as mãos estão posicionadas em frente ao coração está a ser realizada uma saudação a alguém.

Dhyana Mudra

Dhyana Mudra, conhecido como o mudra da meditação.

Mudra muito utilizado na meditação, porque te fornece calma e ajuda a afastar a ansiedade.

Colocas ambas as mãos no colo em forma de concha, a mão direita por cima da mão esquerda, voltadas para cima e com os polegares a tocarem-se.

Trimurti Mudra

Trimurti representa os três principais Deuses do Hinduísmo: Brahma, Vishnu e Shiva, que simbolizam respetivamente a criação, a conservação e a destruição. 

Devemos unir o polegar e os dedos indicadores formando um triângulo.

Habitualmente é utilizado durante a prática de ásanas, para estimular os chacras muladhara (raíz), anahata (coração) e ajnã (frontal- terceiro olho).

Quando realizado com as mãos viradas para cima, com os braços elevados, chama-se Trimurti Mudrá vayu (ar).
Quando as mãos se voltam para baixo, em direção ao solo, denomina-se Trimurti Mudrá Prithivi(terra).

Provavelmente já usaste ou vistes estes mudras. Temos muitos mais para conhecer e partilhar. No nosso Instagram tens acesso a este artigo, embora um bocadinho mais reduzido.

Boas Práticas.

? Gratidão ?Just Love


Natasha Capinha

Tempo de Leitura 5min

Curiosidade:

“Quando unimos as nossas mãos e entrelaçamos os nossos dedos, se o polegar que ficar por cima for o direito ou o esquerdo, indica qual é o hemisfério do nosso cérebro que predomina. 

A psicologia conta-nos que se o polegar direito for o superior, significa que a lógica e a razão predominam na nossa vida. 

Se o polegar esquerdo for o superior, então somos a intuição e a emoção. Não existe uma forma correta. O excesso é que prejudica. “

Natasha Capinha

Deixe o seu comentário

O seu email ainda não existe. Campos obrigatórios*